Labirinto filosófico

R$99,90 R$64,90

Coleção:
Livro em pré-venda.
Envios a partir de
26/01/2021
  

Na origem dos diversos discursos sobre o «fim da filosofia» – muitos dos quais «na moda» – que, ao menos desde Nietzsche, tanto caracterizam o pensamento do Ocidente, está a «sentença» hegeliana: que a philo-sophía deixe de chamar-se «amante» e se afirme, finalmente, como puro saber, Sophia ou mesmo Ciência. Amor e Saber devem dizer adeus um ao outro. E que o sophós dispense sua veste de eterno peregrino e fixe sua morada. É esse o destino de nossa época? Ou ainda há «aquilo» que não podemos exprimir, representar, indicar a não ser amando-o? O discurso filosófico-metafísico carrega em si o rastro dessa tensão, e é justamente aí que encara seu problema, sua aporia constitutiva: o ente é, em sua singular identidade jamais coincide com as determinações que o lógos lhe predica, e sua substância não pode desvelar-se na finitude de seu aparecer. Toda ontologia deve estar baseada nessa diferença – não diferença entre ser e essente, mas diferença imanente à realidade do próprio essente, e, em particular, exatamente desse extra-ordinário essente que tem corpo e mente. Para além do exercício cada vez mais vazio das des-construções, para além das abstratas especializações, para além da academia e das escolas, será a tal problema – eterno aporoúmenon – e ao «temor e tremor» que ele suscita que este livro pretende retornar para, escutando alguns grandes clássicos da tradição metafísica, desenvolvê-lo mais uma vez. Partindo dele, ou sempre reativando-o, talvez inconscientemente, a filosofia conduziu a própria busca por diversas trilhas, de certa forma contemporâneas, que se contradizem e se cruzam ao mesmo tempo, numa espécie de inimizade fraterna. Com seu próprio modo de proceder, essas trilhas acabam por criar o «lugar» de um paradoxal labirinto, que obriga a sair de seu centro em direção a imprevisíveis saídas – ou a formar uma grande árvore da qual essas trilhas são ramos, raízes e rizomas.

Massimo Cacciari
Nasceu em Veneza em 1944, é professor emérito da Faculdade de Filosofia da Universidade San Raffaele de Milão. É autor de numerosos ensaios filosóficos; entre os que mais marcaram a disciplina estão 'Krisis' (Feltrinelli, Milano, 1976), 'Dallo Steinhof' (Adelphi, Milano, 1980), 'Drama y duelo' (Tecnos, Madrid, 1989), 'Drân. Méridiens de la décision' (L’Eclat, Paris, 1992) 'Dell’inizio' (Adelphi, Milano, 1990), 'L’arcipelago' (Adelphi, Milano, 1997).
Tradutor

Vinícius Nicastro

Dimensões

15 x 22 x 2cm

Número de páginas

336

Atualizando…
  • Nenhum produto no carrinho.