Editora Âyiné Editora Âyiné

Aut Aut

Livros:

Psicopolítica

Byung-Chul Han

PSICOPOLÍTICA

Uma possibilidade infinita de conexão e informação nos torna sujeitos verdadeiramente livres? Partindo dessa questão, Han delineia a nova sociedade do controle psicopolítico, que não se impõe com proibições e não nos obriga ao silêncio: convida-nos incessantemente a nos comunicar, a compartilhar, a expressar opiniões e desejos, a contar nossa vida. Ela nos seduz com um rosto amigável, mapeia nossa psique e a quantifica através dos big data, nos estimula a usar dispositivos de automonitoramento. No pan-óptico digital do novo milênio - com a internet e os smartphones – não se é mais torturado, mas tuitado ou postado: o sujeito e sua psique se tornam produtores de massas de dados pessoais que são constantemente monetizados e comercializados. Neste ensaio, Han se concentra na mudança de paradigma que estamos vivendo, mostrando como a liberdade hoje caminha para uma dialética fatal transformando-a em constrição: para redefini-la é necessário tornar-se herege, voltar-se para a livre escolha, para a não conformidade.

Melancolia de esquerda

Enzo Traverso

MELANCOLIA DE ESQUERDA

A melancolia de esquerda sempre existiu. Não é nostalgia pelo socialismo real, mas uma "tradição esquecida" que não pertence à narrativa canônica do socialismo e do comunismo, com a sua fé no progresso e o orgulho de saber combater lutas justas e vitoriosas. A melancolia esquerda encarna o espírito da dúvida, longe dos mitos e da propaganda. Sabe que os totalitarismos podem retornar, que a história é imprevisível, que as lutas do presente devem manter os olhos abertos sobre as derrotas passadas, porque cada tragédia guarda uma promessa de redenção e o olhar dos vencidos é mais penetrante do que o dos vencedores. As ruínas das batalhas perdidas são o coração de onde nascem novas ideias e novos projetos. Com o colapso do Muro de Berlim não chegou ao fim apenas o socialismo real; exauriu-se também o tempo das utopias com as quais queríamos mudar o mundo, forçando-nos a colocar em questão as ideias com quais havíamos tentado interpretá-lo. Enzo Traverso percorre os vestígios de uma cultura de esquerda, que ao ser capaz de fazer as contas com a derrota, pode talvez se repensar. Estas páginas interpelam as grandes figuras que marcaram a história desta tradição subterrânea: de Marx a Benjamin, até Daniel Bensaid, passando pela pintura de Gustave Courbet e os filmes de Chris Marker e Theo Angelopoulos, demonstrando com vigor e de maneira contra-intuitiva toda a carga subversiva e libertadora do luto revolucionário. Um livro que explica o que é a cultura de esquerda, revelando as suas complexidades e entrechos.

Médium e revolução [PREVENDA]

Peter Trawny

MÉDIUM E REVOLUÇÃO [PREVENDA]

«Tudo o que é pensado e escrito na atualidade é conformista. As relações existentes parecem uma vaca sagrada. Toda crítica segue o mandamento de ser ‘construtiva’. A teoria ‘esquerdista’ silencia sobre sua origem revolucionária. Também as forças conservativas se integram. Tudo é ‘comunicado’. Impera uma profunda satisfação».